Do interior do Brasil para o mundo. Nos últimos anos, a partir da criação do Fundo Setorial do Audiovisual, o Brasil assistiu à descentralização da produção de conteúdo audiovisual. Empresas distantes do eixo Rio-São Paulo alcançaram o cenário internacional e alçaram seus pequenos negócios a voos antes inimagináveis.

No painel “Produção Regional, Alcance Global”, mediado por Mauro Garcia, presidente da Bravi, representantes de três produtoras contaram histórias de como ampliaram suas produtoras e mostraram cases de sucesso.

Aline Belli, da Belli Studio, de Blumenau (SC), Vânia Lima, da produtora baiana Tem Dendê e Fernando Segtowick, da Marahu Produtora, de Belém (PA), começaram com projetos regionais e, com ajuda de fomentos e editais, levaram conteúdos de suas regiões para as TVs abertas e por assinatura, cinemas e canais de streaming.

Aos poucos, passaram a frequentar eventos no mercado internacional e fecharam parcerias com empresas da Europa e dos Estados Unidos, levando parte da cultura brasileira para o mundo.